segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Epifania

Esta festa nos fala da abertura do Reino de Deus, abertura de suas portas para acolher todos aqueles homens que tem fé e se arrependem, que buscam fazer a vontade de Deus e lutar contra o inimigo, ou seja, Deus acolhe em sua casa todos os eleitos. É uma nova História, ou melhor, é o tempo do Reino de Deus.

Se antes Deus possuía um povo, o Povo de Israel, agora o Senhor torna público, de modo absoluto, o Reino de Deus e a universalidade do Povo de Deus, a Igreja.

No presépio temos a representação de Israel através dos pastores; agora, representando toda a Humanidade, temos os Magos. Portanto, a festa da Epifania celebra a manifestação do Amor de Deus pelo mundo, não apenas ao Povo da Antiga Aliança, mas a todos os Povos de todos os Tempos!

Isso também vale para nós cristãos. Não somos donos do Senhor, mas temos a grata, a sublime missão de anunciá-lo a todos os homens. Não somos nós os batizados em nome da Trindade e nem os filhos da Antiga Aliança, os únicos chamados ao banquete celestial, mas todos aqueles que tem acredito em qualquer tempo e lugar.

O Povo da Aliança deixa de ser um povo marcado pelo mesmo sangue e pela cultura e passa a ser composto por aquelas pessoas que aceitam o “Deus conosco”, do "Príncipe da Paz" que surgiu na noite de Natal, e ressuscitou ao terceiro dia após ter sido sentenciado como blasfemo e criminoso (por ter dito que era Deus e que era Rei) em uma cruz ao lado de dois criminosos. A fala desse Rei diferente de todos os demais é: amor, perdão, fé, esperança, simplicidade de vida, e generosidade.

No Natal alguns demonstram o poder aquisitivo comprando presentes e no preparo de ceia, contudo a comida já foi para um lugar escuso e os presentes ou começaram a perder o seu valor e poderão irão parar nas mãos de quem não amamos. O tempo corrói! Mas as esmolas que demos, as visitas que fizemos, o tempo gasto com pessoas esquecidas pela sociedade e também o tempo dedicado à oração foram contabilizados na economia da salvação, se transformaram em bens de eternidade, de acordo com os valores do grande Rei, o menino que nasceu no presépio, cresceu para ser homem e morreu na cruz, após lavar os pés de seus discípulos.

Precisamos mudar o nosso modo de pensar e de agir, se desejamos ver o Reino de Deus e meio de nós. Temos consciência disso tudo, somos discipulados, praticamos a evangelização, mas o velho e viciado modo de pensar e de agir, fala mais alto na hora das decisões. É preciso a sabedoria e a santidade de Deus para vivermos de acordo com o Evangelho de Jesus Cristo. A salvação não virá dos poderosos, nem do dinheiro, nem da sociedade consumista. Depende de um coração arrependido, cheio de fé e com temor santo, que confia em Deus e que reconhece a Graça inefável do Senhor sobre nós.

Tenhamos a coragem de romper com os vícios do passado e vivemos a autenticidade do Evangelho. Sejamos luz do amor de Deus, permitamos que em nós Ele faça sua Epifania como a fez em tantos homens e mulheres de todos os tempos. É preciso coragem! Não tenhamos medo! Coragem! Jesus disse que somos “sal da terra e luz do mundo”.

Coragem, Ele venceu o mundo!

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Igreja Episcopal Carismática do Brasil • Paróquia Betesda

Rua Catulo da Paixão Cearense, Nº 350, Jardim Atlântico, Olinda - PE
paroquiabetesda@gmail.com